Pela estagiária Bárbara Gouvêa
Sob supervisão de Érika dos Anjos | 

Seja por recolocação no mercado, seja por encontrar uma nova carreira, o número de estudantes acima de 40 anos estagiando aumentou nos últimos anos. Independente do motivo, essas pessoas estão se qualificando e traçando um novo caminho para dar propósito à vida.

De acordo com levantamento realizando pelo Centro de Integração Empresa (CIEE), o número de estagiários entre 40 e 50 anos cresceu 5% entre 2016 e 2017. Para a Adm. Maria Cristina Matos da Costa, membro da Comissão Especial de Recursos Humanos do CRA-RJ, alguns procuram gerenciar negócios dentro da família e outros buscam autonomia.

“Muitos investem na formação em Administração que é bem completa, mas outras carreiras também tem o seu potencial de autonomia e são bem interessantes, como a carreira ligada à pedagogia, que é um atrativo pela quantidade de vagas oferecidas”, comenta, ressaltando ainda que esses estagiários mais velhos devem entender que a base do estágio é um ato educativo e supervisionado, não devendo ser encarado como um emprego.

As organizações também estão aprendendo a lidar com a mistura de gerações no ambiente de trabalho, o que, segundo a Adm. Maria Cristina Matos da Costa, é extremamente saudável para a organização, pois pode gerar um acúmulo de experiências positivas e um cenário de diversidade.

“Ter um estagiário nessa faixa etária também é saudável para a empresa, porque elas podem contratar alguém com mais experiência de vida e que já sabe lidar com essas pressões do trabalho. Esse encontro de gerações, de jovens de 20 anos com pessoas de 40, vai trazer resultados para as organizações, porque gera uma troca de experiências muito positiva e isso é um benefício para todos os envolvidos. Essa experiência acumulada no mundo de trabalho é mais paciência, discernimento e tomada de decisão para lidar com situações atípicas”, salienta Matos, que ainda nota que há a frustração de um estagiário sênior quando não é efetivado e que a empresa deve conduzir isso com muito respeito e transparência:

“O estagiário cria uma expectativa grande e muitas vezes não é contratado. E é preciso estar consciente disso. No caso dos mais jovens, eles geralmente estão mais abertos para essa não contratação, esse impacto é menor, quer seja pela base financeira, por morar com os pais, ou porque ele sabe, emocionalmente, que tem toda uma estrada profissional ainda para percorrer. Quando falamos dos mais velhos, em via de regra, a frustração pode ser bem maior, porque eles têm uma realidade financeira diferente dos jovens, são responsáveis pelo próprio sustento e também mexe de uma forma mais invasiva com a autoestima deles”, reforça.

Desafios

Segundo o último levantamento do IBGE, a expectativa média de vida do brasileiro é de 76 anos e isso leva muita gente a traçar novos caminhos e as organizações estão se preparando. Para a Adm. Maria Cristina Matos da Costa, reforma da previdência e maior expectativa de vida são fatores influenciadores na tomada de decisão quando se pensa em começar uma nova carreira e que o mercado está receptivo para esses novos estagiários.

“Os seniors se sentem ainda mais motivados quando tem uma oportunidade dessas, porque eles vivenciam a experiência ainda como um desafio. Eles sentem aquela vontade e força para dar o melhor de si”, observa.

A Adm. Mônica Campos, coordenadora do Insituto Eu Consigo, comentou durante a palestra “Longevidade e os desafios do mercado de trabalho” que diversas empresas estão abrindo oportunidades ou aplicando programas para contratação de pessoas com mais idade.

“Eu vou me reinventar, vou fazer uma nova carreira, vou repensar a minha carreira? Aí é de cada um, mas a verdade é o seguinte: se você procurar na internet, existem empresas que já estão atentas a isso”, reforça a Administradora.

E em qualquer idade, o CRA-RJ te ajuda a se capacitar para o mercado de trabalho com palestras, eventos, workshops, rede social corporativa para networking qualificado, no Sifa, e com mais de 250 cursos gratuitos para profissionais e estudantes registrados na instituição através da Universidade Corporativa do Administrador.